Sexta-feira, 12 de Fevereiro de 2016 às 07h41


Campanha da Fraternidade
Papa: saneamento básico é condição para superar injustiça social



Francisco defende que o acesso à água potável e saneamento básico é necessário  para erradicar a pobreza, a fome e superar os altos índices de mortalidade infantil

O Papa Francisco enviou uma mensagem aos brasileiros por ocasião da Campanha da Fraternidade 2016, que trata do Saneamento Básico. A Campanha tem como tema “Casa comum, nossa responsabilidade” e lema “Quero ver o direito brotar como fonte e correr a justiça qual riacho que não seca” (Am 5.24).

Francisco recorda que a Igreja no Brasil propõe, a cada ano, uma motivação comunitária para a conversão e a mudança de vida. O Papa defende que todos têm responsabilidade pela Casa Comum e que as pessoas e comunidades são convidadas a se mobilizar a partir dos locais em que vivem.


“São chamadas a tomar iniciativas em que se unam as Igrejas e as diversas expressões religiosas e todas as pessoas de boa vontade na promoção da justiça e do direito ao saneamento básico.”

Para Francisco, o acesso à água potável e ao saneamento básico é condição necessária para a superação da injustiça social, para a erradicação da pobreza e da fome, para a superação dos altos índices de mortalidade infantil e de doenças evitáveis, e para a sustentabilidade ambiental.

O Papa cita sua Encíclica Laudato Si e faz um apelo para que a cultura ecológica seja aprofundada. Francisco defende ainda que o patrimônio da espiritualidade cristã pode contribuir para o esforço de renovar a humanidade.
Convite

“Eu os convido, principalmente durante esta Quaresma, motivados pela Campanha da Fraternidade Ecumênica, a redescobrir como nossa espiritualidade se aprofunda quando superamos «a tentação de ser cristãos, mantendo uma prudente distância das chagas do Senhor» e descobrimos que Jesus quer «que toquemos a carne sofredora dos outros» (Evangelii gaudium, 270), dedicando-nos ao «cuidado generoso e cheio de ternura» (Laudato si’, 220) de nossos irmãos e irmãs e de toda a criação.”
Proximidade

Ao concluir a mensagem, o Papa afirmou que está unido a todos os cristãos do Brasil.
“Ensinai-nos a descobrir o valor de cada coisa, a contemplar com encanto, a reconhecer que estamos profundamente unidos com todas as criaturas no nosso caminho para a vossa luz infinita.”

Por: Luciane Marins
Da Redação Canção Nova



Quinta-feira, 11 de Fevereiro de 2016 às 07h50


Silenciar
 Como fazer um retiro espiritual?
 

O retiro espiritual é uma força que encontramos para viver bem a nossa caminhada


A vida espiritual em nosso tempo é muito necessária, pois é a partir dela que conseguimos encarar a vida com mais leveza, como ela realmente deve ser vivida. O grande risco é, e talvez muitos que me leem percebam isso, notar que a vida está passando sem que tenhamos feito algo dela. O que apreciamos da vida? Que laços temos criado com as pessoas? Não sabemos o dia de amanhã, então, como viver o hoje?

Dicas de como fazer um retiro espiritual

É por isso que a vida espiritual, a vida em Deus, ilumina-nos a como viver, como caminhar e dar os passos na vida comum.

Vale dizer que a vida no Senhor não está desconcertada da vida comum, onde todos precisam trabalhar e estudar, onde todos choram e riem. Mas se pode reforçar que aqueles que levam uma vida espiritual conseguem dar sentido a tudo, seja nas situações que deram certo ou naquelas que deram errado.

Para a vida espiritual, a comunhão com Deus nos ajuda. Por isso, muitas vezes, precisamos nos retirar, parar um pouco para escutar os “ruídos interiores”, apresentá-los a Deus e, assim, escutá-Lo e saber como lidar com essas inquietações. Claro que o retiro é valido não só quando estamos inquietos ou com alguma dificuldade; ele também serve quando estamos bem. Dizem: “Em time que está ganhando não se mexe”. Bom, na verdade, pode-se melhorá-lo. Então, um bom retiro nos tira de uma crise e também reforça aquela caminhada que já está boa.
Mas como fazer um retiro? Cito alguns itens básicos:

1) Ter ou buscar um local de silêncio. Você precisa se concentrar, examinar seu interior; não dá para fazer isso com eficiência se está no barulho, na agitação do dia a dia. Para que haja um bom retiro, “cala-te”, permita-se perceber a si mesmo, permita-se escutar a Deus;

2) Ter um texto para meditação. Se você tem um (a) acompanhador (a) espiritual, diante daquilo que ele (a) conversou com você, pode lhe dar um texto bíblico ou um escrito de um santo para você meditar – normalmente, o texto possui algumas perguntas que vão ajudá-lo a viver o retiro. Caso você não tenha um (a) acompanhador (a) espiritual, não tem problema, pense em qual é, hoje, a sua principal necessidade. Por exemplo: “Hoje, tenho medo do futuro, de faltar-me emprego e, consequentemente, faltar dinheiro e passar por necessidades”. Talvez, será interessante ler o Evangelho de Mateus cap. 6 de 25 a 34, onde Jesus fala sobre o abandono à providência. Dentro dessa temática, é possível ler ainda o Salmo 22(23), “O Senhor é o meu Pastor”;

3) Olhar para dentro de si. A meditação, seu contato com Jesus após a leitura, deve ajudá-lo a olhar para dentro de si, fazer uma leitura de sua caminhada e identificar os pontos que precisam ser melhorados, onde a cura de Deus precisa chegar;

4) Rezar. Retirou-se, meditou, olhou para dentro de si? Agora reze. Fale com Deus sobre as descobertas que fez, peça a cura, a direção, peça a força do Alto para não desanimar;

5) Comprometer-se e criar metas. Ainda na oração, finalize-a agradecendo a Deus pelo tempo de silêncio, de contato com Ele, agradeça as descobertas feitas e faça um compromisso de melhorar. Se for o caso, e isso ajuda, anote quais serão suas metas dali em diante.

Você percebeu como é simples? Existem outras formas de retiro, esses tópicos não são únicos nem exclusivos, mas ajudam você a pensar a vida e a viver. Parar, olhar, refletir, decidir e agir.

Bom retiro!


Por: Padre Márcio do Prado, natural de São José dos Campos (SP), é sacerdote na Comunidade Canção Nova. Ordenado em 20 de dezembro de 2009, cujo lema sacerdotal é “Fazei-o vós a eles” (Mt 7,12), padre Márcio cursou Filosofia no Instituto Canção Nova, em Cachoeira Paulista; e Teologia no Instituto Mater Dei, em Palmas (TO)



Domingo, 24 de Janeiro de 2016 às 12h53


Missa em Ação de Graça pelos 8 Anos de Frei Santos na Paróquia São Sebastião

 A Paróquia São Sebastião celebrou na manhã deste domingo, 24 de janeiro de 2016 às 08h00 na Igreja Matriz de São Sebastião, a missa em ação de Graça pelos 8 anos de Frei Santos na Paróquia São Sebastião, destes 8 anos, 3 anos como Pároco






A celebração foi presidida por Frei Santos, e concelebrada por Frei Ricardo Regis e Pe. João Maria
 



 Juliana, Ana, Bia, Socorro e Ronald
 Após a celebração, Frei Santos recebeu várias homenagens dos grupos, pastorais e movimentos da Paróquia
























Realização
Paróquia São Sebastião
Diocese de Parnaíba - PI



Fotos: Jesse James 




Sexta-feira, 22 de Janeiro de 2016 às 11h10


Dia Mundial das Comunicações Sociais

Comunicação deve expressar misericórdia, pede Papa


Em mensagem para o 50° Dia Mundial das Comunicações Sociais, Papa destaca que aquilo que dizemos e o modo como o dizemos deveria expressar a compaixão, a ternura e o perdão de Deus

O Vaticano divulgou nesta sexta-feira, 22, a mensagem do Papa Francisco para o 50° Dia Mundial das Comunicações Sociais, com o tema “Comunicação e Misericórdia: um encontro fecundo”.

Ao refletir sobre a relação entre comunicação e misericórdia, Francisco destaca o cuidado que é preciso ter com o que se diz e o modo como se diz. Ele explica que as palavras e gestos devem expressar a compaixão, a ternura e o perdão de Deus para todos.

“O amor, por sua natureza, é comunicação: leva a abrir-se, não se isolando. E, se o nosso coração e os nossos gestos forem animados pela caridade, pelo amor divino, a nossa comunicação será portadora da força de Deus.”

O Papa afirma que as palavras podem construir pontes entre as pessoas, as famílias, os grupos sociais e os povos, tanto no ambiente físico como no digital.

Na mensagem, Francisco convida todas as pessoas de boa vontade, a redescobrirem o poder que a misericórdia tem de curar as relações dilaceradas e restaurar a paz e a harmonia entre as famílias e comunidades.

O Santo Padre citou Shakespeare, ao dizer que a misericórdia é capaz de implementar um novo modo de falar e dialogar: “A misericórdia não é uma obrigação. Desce do céu como o refrigério da chuva sobre a terra. É uma dupla bênção: abençoa quem a dá e quem a recebe” (O mercador de Veneza, Acto IV, Cena I).
Linguagem da política e da diplomacia

A linguagem da política e da diplomacia também foi lembrada pelo Papa. Ele pede àqueles que têm responsabilidades institucionais, políticas e de formação da opinião pública, que estejam vigilantes sobre o modo como se exprimem a respeito de quem pensa ou age de forma diferente e ainda de quem possa ter errado.
Comunicar a verdade com amor

Francisco explica que é dever principal do cristão afirmar a verdade com amor e que palavras e gestos duros ou moralistas podem alienar ainda mais aqueles que queríamos levar à conversão.

“Podemos e devemos julgar situações de pecado – violência, corrupção, exploração, etc. –, mas não podemos julgar as pessoas, porque só Deus pode ler profundamente no coração delas. É nosso dever admoestar quem erra, denunciando a maldade e a injustiça de certos comportamentos, a fim de libertar as vítimas e levantar quem caiu.”
Saber escutar

Para comunicar com misericórdia, o Papa afirma que é fundamental escutar. Ele reconhece que não é uma atitude fácil e que as vezes é mais cômodo fingir-se de surdo, mas destaca que saber escutar é uma graça, um dom que é preciso implorar e depois exercitar-se a praticá-lo.
Redes Sociais

Ao falar sobre as redes sociais o Pontífice deixou claro que elas também podem ser formas de comunicação plenamente humanas. “Não é a tecnologia que determina se a comunicação é autêntica ou não, mas o coração do homem e a sua capacidade de fazer bom uso dos meios ao seu dispor.”

Ele chamou atenção para o uso das redes que tanto são capazes de favorecer as relações e promover o bem da sociedade, como podem também levar a uma maior polarização e divisão entre as pessoas e os grupos.

Por fim o Papa destaca que o encontro entre a comunicação e a misericórdia é fecundo na medida em que gerar uma proximidade que cuida, conforta, cura, acompanha e faz festa.

“Num mundo dividido, fragmentado, polarizado, comunicar com misericórdia significa contribuir para a boa, livre e solidária proximidade entre os filhos de Deus e irmãos em humanidade.”


Por:Luciane Marins
Da Redação Canção Nova 


Quinta-feira, 21 de Janeiro de 2016 às 11h42


Vaticano
Cresce expectativa para exposição do corpo de Padre Pio




No Vaticano, por ocasião do Jubileu da Misericórdia, os corpos de Padre Pio e São Leopoldo serão expostos entre os dias 3 e 11 de fevereiro

Corpo de Padre Pio será exposto em Roma para veneraçãoNo dia 3 de fevereiro, por desejo do Papa Francisco, serão expostos no Vaticano os corpos de São Padre Pio e de São Leopoldo, dois santos confessores.

O objetivo é ressaltar o papel do confessor neste Ano da Misericórdia e apresentá-los como exemplos aos Missionários da Misericórdia, os sacerdotes que neste Ano Santo se disponibilizaram para levar o Sacramento da Penitência a todos os lugares.
Grupos de Oração do Padre Pio no Vaticano

“Existe um grande entusiasmo, uma grande expectativa, desde que surgiu a notícia. Tantas pessoas passaram a nos telefonar”, conta Padre Pietro Bongiovanni, Pároco de San Salvatore in Lauro, que num certo sentido, é a “casa romana” do Padre Pio.

Em entrevista à Agência Ansa o sacerdorte declarou que mais de 60 mil peregrinos se inscreveram para a audiência de 6 de fevereiro que será dedicada aos grupos ligados ao Padre Pio, e a expectativa é que este número crescerá.

Em Roma, o corpo de Padre Pio estará exposto, num primeiro momento, na Igreja dos Capuchinhos, San Lorenzo al Verano. Após, seguirá para a Igreja San Salvatore in Lauro e por fim, a Basílica de São Pedro. A expectativa pela chegada do corpo é tão grande que estão previstas diversas celebrações: no dia 4, na Igreja de San Salvatore, missas às 22 horas, à meia-noite, às 3, 6, 8, 10, 12 e 14 horas.
Referência na espiritualidade

“São quinze anos que acompanho os grupos de oração de Padre Pio, 450 em Roma e no Lácio, e sempre me surpreendo pela resposta que supera também as mais tênues expectativas”.
Confessores

O traslado dos corpos do Padre Pio e de Padre Leopoldo até Roma nasce da devoção do Papa Francisco por estes dois santos. Estima-se que Padre Pio tenha confessado mais de 2 milhões de pessoas. Padre Leopoldo, da mesma forma, passou grande parte de sua vida dentro do confessionário.
Relíquias em Buenos Aires

A respeito do Padre Pio, em particular, Padre Bongiovanni conta que no ano 2000, juntamente com os responsáveis pela Casa Alívio do Sofrimento (estrutura de saúde em San Giovanni Rotondo, construída por desejo do Padre Pio) levou as relíquias do Santo a Buenos Aires.

“Eram os anos da grande crise econômica na Argentina, via-se na rua pessoas revirando lixo em busca de comida, e Bergoglio queria as relíquias como sinal de esperança para o povo. Nos pediu sobretudo para ir às favelas, em meio aos pobres. Me recordo que na missa na Catedral de Buenos Aires havia tanta gente, que muita gente teve que ficar do lado de fora. Mais tarde, o Cardeal Bergoglio nos convidou para ir à sua casa, nos ofereceu chá. Encontramos um homem que depois tornou-se Papa”.

Em 11 de fevereiro, os corpos dos dois Santos deixarão Roma para retornarem a San Giovanni Rotondo, mas antes farão uma parada em Pietralcina. “A cidade onde nasceu, viveu, recebeu pela primeira vez os estigmas. Sei que também lá o estão aguardando com grande entusiasmo”, conclui o sacerdote.

Fonte: Da Redação Canção Nova 
com Rádio Vaticano



Quarta-feira, 20 de Janeiro de 2016 às 12h36


Catequese
Papa: transmitir a misericórdia de Deus é missão comum aos cristãos



Na catequese de hoje, Papa falou da Semana de Oração pela Unidade dos Cristãos, enfatizando a partilha do batismo e a missão de levar a misericórdia de Deus

Papa Francisco convida cristãos a, juntos, levar a misericórdia de Deus a todos os cantos da terra

A catequese do Papa Francisco, nesta quarta-feira, 20, foi dedicada à unidade entre os cristãos, tendo em vista que, na Itália e em alguns outros países, celebra-se a Semana de Oração pela Unidade dos Cristãos desde segunda-feira, 18. Sem se distanciar do ciclo de catequeses sobre misericórdia, Francisco enfatizou que transmitir a misericórdia de Deus aos outros é uma missão comum aos cristãos.

O Santo Padre explicou que, nesta Semana, os cristãos são convidados a redescobrir a graça do batismo, um dos pontos de unidade, e ir além das divisões. Segundo ele, partilhar o batismo significa reconhecer que todos são pecadores e precisam de salvação. O batismo chama os cristãos ao encontro com o Deus vivo, cheio de misericórdia, acrescentou.

Francisco reconheceu que todos acabam fazendo a experiência do egoísmo que leva à divisão, mas partir novamente do batismo significa reencontrar a fonte da misericórdia, que é fonte de esperança para todos, pois ninguém está excluído da misericórdia de Deus.

“A partilha dessa graça (do batismo) cria uma ligação indissolúvel entre nós cristãos, de forma que no batismo podemos nos considerar todos irmãos, somos povo santo de Deus mesmo que, por causa de nossos pecados, não sejamos um povo plenamente unido”.

Para os cristãos, acrescentou o Santo Padre, anunciar a força do Evangelho e partilhar as obras de misericórdia, corporais e espirituais, é uma experiência concreta de fraternidade. “Temos uma missão em comum que é aquela de transmitir a misericórdia recebida aos outros, partindo dos mais pobres e abandonados”.

Francisco concluiu a audiência pública com os fiéis pedindo que, nesta Semana de Oração, eles rezem para que todos os discípulos de Cristo encontrem, juntos, um modo de levar a misericórdia do Pai a todos os cantos da terra.

Por: Jéssica Marçal
Da Redação Canção Nova
Foto: Reprodução CTV
Segunda-feira, 18 de janeiro de 2016 às 10h22


Vaticano apresenta nesta sexta mensagem do Papa para Dia Mundial das Comunicações




“Comunicação e Misericórdia: um encontro fecundo” é o tema da mensagem do Papa para a data que será celebrada em 8 de maio

O Vaticano apresenta nesta sexta-feira, 22, a mensagem do Papa Francisco para o Dia Mundial das Comunicações Sociais 2016. O tema da mensagem é “Comunicação e Misericórdia: um encontro fecundo”.

A data é celebrada sempre no domingo que antecede a Festa de Pentecostes; em 2016, será no dia 8 de maio.

Ainda na sexta-feira, o presidente do Pontifício Conselho para as Comunicações Sociais, Dom Claudio Maria Celli, vai presidir a Santa Missa na Igreja de Santa Maria em Traspontina, na Via da Conciliação em Roma. Estão convidados a participar da celebração todos os profissionais da área de comunicação.

Ambas as atividades – apresentação da mensagem e celebração da Missa – acontecem nesta sexta-feira por ocasião da proximidade ao dia de São Francisco de Sales, celebrado pela Igreja em 24 de janeiro. Ele é o padroeiro dos jornalistas e dos trabalhadores da área de comunicação.

Em comunicado emitido nesta segunda-feira, 18, o Vaticano informou que quem vai atender a imprensa na coletiva será o diretor da Sala de Imprensa da Santa Sé, padre Federico Lombardi, o prefeito da Secretaria para a Comunicação, monsenhor Dario Edoardo Viganò, o diretor da TV 2000, Paolo Ruffini, e a professora Marinella Perroni, da Universidade Pontifícia Santo Anselmo, de Roma.
Sobre o Dia Mundial das Comunicações

O Dia Mundial das Comunicações Sociais é a única data instituída pelo Concílio Vaticano II (Decreto Inter Mirifica, 1963), no pontificado de Paulo VI.

No ano passado, a mensagem de Francisco para a ocasião teve relação com as famílias. “Comunicar a família: ambiente privilegiado do encontro na gratuidade do amor” foi o tema, indo ao encontro do contexto da época, já que 2015 teve Sínodo dos Bispos sobre Família e o Encontro Mundial das Famílias na Filadélfia, Estados Unidos.

Já em 2016, o tema escolhido pelo Papa está em sintonia com o Ano da Misericórdia, que começou em 8 de dezembro de 2015 e termina em 20 de novembro de 2016.


Por: Jéssica Marçal
Da Redação Canção Novacom Boletim da Santa Sé


Domingo, 03 de Janeiro de 2016 às 22h59


Celebração de Abertura das Santas Missões e do Ano Santo da misericórdia

A Paróquia São Sebastião celebrou neste domingo, 03 de janeiro de 2016, na praça da Igreja Cristo, a missa de abertura do Ano Santo da Misericórdia na Paróquia, e também, a abertura das Santas Missões Populares, bênção e envio dos missionários

A celebração foi presidida por Monsenhor Carlos Seixas, Diácono Jurandir e Frei Ribamar



Animação Grupo Shekinah
      Wesley         Leudo         Francileuda                        













Realização
Paróquia São Sebastião
Diocese de Parnaíba - PI
 
 



Fotos: Jesse James